terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Opinião Pública

No Diário Económico de hoje:


‘Whatever it takes’, mesmo? 

Com uns anos de atraso em relação à sociedade civil a Assembleia da República, por iniciativa do Partido Socialista, vai finalmente discutir se a dívida portuguesa é pagável. A resposta àquela questão, no contexto que a Europa atravessa, depende muito das expectativas do que seja a evolução da Economia.


Sem crescimento a reestruturação - que o Governo já assume discretamente, nomeadamente em operações de troca de dívida e no planeamento do reembolso antecipado ao FMI - será inglória. Acabaremos sempre num problema de capacidade de pagar. Do que precisamos é de crescimento económico, e urgentemente.

É por isto que o pífio Plano Juncker não serve. É demasiado pouco, demasiado tarde e demasiado lento. É preciso complementar tudo isto com uma política monetária audaz. ‘Whatever it takes', disse Draghi, e deve mesmo ser o que for preciso, sem tabus.

Já em Setembro ("Acabar o euro", Diário Económico de 03/09/14) tínhamos alertado para o artigo da Foreign Affairs de Mark Blyth e Eric Lonergan que, aos ombros de Milton Friedman e Ben Bernanke vieram propor um "QE for the people", ideia que tem começado a ganhar visibilidade. Em bom português, injectar dinheiro directamente nas famílias, em vez de o fazer no sistema financeiro.

Entre nós, Eduardo Paz Ferreira apontou no mesmo sentido ("Paroles, Paroles", Expresso de 06/12/2014) citando ainda Werner Munchau, Martin Wolf ou Adair Turner como nomes que cada vez mais integram as alas ditas radicais.

Lá fora os sinais são mais do que evidentes, desde Simon Jenkins (ex-editor do Times) no The Guardian a John Muellbauer, em Oxford. E até do lado dos mercados, pela mão do Economista-Chefe do Citigroup, Willem Buiter temos sinais importantes (cf. "The Simple Analytics of Helicopter Money: Why It Works - Always", Economics: The Open-Access, Open-Assessment E-Journal, 8 (2014-28)).

Os modelos americano (que funcionou) e japonês (que está em dificuldades) de QE dificilmente funcionarão na Europa, face a um sistema financeiro zombie que nem à força de empréstimos de longo prazo grátis do BCE (os chamados LTRO) dá sinais de vida.

Na experiência americana de 2001, em que foi dado um alívio nos descontos pessoais para a segurança social, mesmo quantias relativamente modestas traduziram-se em crescimento económico, num aumento da qualidade de vida da população mais pobre e numa melhoria imediata das contas públicas por via de uma melhor receita fiscal.

O reverso da medalha será um eventual pequeno aumento da inflação. Mas um pequeno aumento da inflação é precisamente o que precisamos, longe que estamos do objectivo de 2% que o próprio BCE advoga.

O que falta? Convencer os alemães ou vencê-los em votação no BCE. Falta, em suma, vontade política. O projecto europeu viverá ou morrerá em função disto. É altura de o começarmos a aceitar.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Opinião Pública



No Diário Económico de sexta:


Crime e Castigo

Se tirarmos um paralelo à narrativa de Dostoiévski o que se apura nas audições parlamentares ao BES/GES é que roubar um euro é um acto humano, mas pulverizar milhares de milhões é um acontecimento fortuito.

Não o podiam evitar os que geriam estas empresas, não o podiam evitar as entidades reguladoras cujo mandato é evitar que coisas destas aconteçam, não o podia, por fim, evitar o Governo que em nome de todos nós conduz os destinos do País, mas que neste assunto nada fez excepto, ex post facto, despejar milhares de milhões de euros dos contribuintes em cima do problema.

Ricardo Salgado era o líder do grupo e do banco mas foi ao Parlamento imputar culpas à crise (tem costas largas), ao contabilista (esse mordomo dos tempos modernos), mas principalmente ao Banco de Portugal. A tese central: por ter sido demasiado exigente quer no tipo de medidas (ignoradas quase todas) quer no calendário imposto (mas não cumprido) terá provocado o desaparecimento do BES e a falência do GES.

O Banco de Portugal exagerou na supervisão? Carlos Costa diz que não. Diz, também ele, que a culpa não é dele, que não podia ter feito mais. Mandou (rectius: persuadiu) mas não foi ouvido. Os pareceres adquiridos por Ricardo Salgado não lhe permitiam agir, a jurisprudência dos Tribunais tolhia-o, e os factos essenciais escaparam-lhe. Mais para Pilatos que para Porfiri Pietróvitch, em suma.

Tem-se dito muitas vezes que atacar o supervisor é desculpar o infractor. Não é: o facto de um crime ter autor e ser ele o criminoso não desculpa o polícia que o deixou agir debaixo do seu olhar desatento e negligente, mãos tolhidas atrás das costas por equívocos só seus.

Em tudo isto, o que se pode ver? Um monumento tão caro quanto hediondo ao funcionamento do mercado, à regulação que temos, e ao sentido de Estado de quem nos governa. Para sumário de uma nação não está mal, não senhor.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Coisas que escapam


Porque não foi televisionada passou ao lado da torrente informativa sobre as audições parlamentares do affaire BES a audição da Técnica do Banco de Portugal que integra a equipa de acompanhamento permanente do BES, Susana Caixinha. 

A audição não é nem foi secreta (estando disponíveis quer a declaração incial quer o registo aúdio da parte relativa a perguntas e respostas) mas dela não se fizeram grandes manchetes nem muitas noticias. 

Acontece que o que ali foi dito é instrumental para compreender o que se passou do lado da supervisão.  

É a procura, estúpidos


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Obrigatório ler


Sobre a complexa questão da idoneidade temos uma nota técnica (não assinada, o que não deixa de ser original, convenhamos) toda ela assente num erro de perspectiva: no exercício dos seus poderes o BdP não se deve preocupar primeiro consigo mas sim com os cidadãos que dependem da sua oportuna, eficaz e decidida actuação.

Já só faltam os pareceres de Coimbra, por aí citados mas ainda não públicos.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Retrato de um país em 10 imagens (não recomendado a pessoas sensíveis)


O retrato completo está no Anuário 2013 do INE (completo aqui), partes seleccionadas mais ou menos ao calhas ficam já aqui. 10 imagens para perceber melhor Portugal:

1) Somos cada vez menos activos e nem tudo isto é demográfico



2) Temos a geração mais qualificada de sempre, de sempre. Saberemos não a desperdiçar?



3)  Não, ainda não estamos a criar emprego. E sim, estes números são mais significativos do que a estatística do desemprego, demasiado "trabalhada". O pouco emprego que se cria é precário e mesmo assim não compensa quebra do emprego não precário. Já se intuia, mas agora sabe-se:


 
4) E, com alguma surpresa, essa pequena criação é na faixa etária mais elevada. Os jovens qualificados ficam de fora. Não é propriamente sustentável a prazo:

 

5)  Quando nos íamos aproximar da média Europeia em termos de igualdade na distribuição de rendimentos, comecámos a divergir. E sem sinais de retomar a convergência:



6) Temos menos transferências sociais do que a média da UE, ou seja, eles têm mais estado social que nós:



7) Somos um país de pequenas, micro e nano empresas como dizia o outro. É por isso que reduzir o IRC serve de pouco para a esmagadora maioria das empresas (mais de 95%):



8) O que falhou na austeridade? Tudo. A austeridade não funciona porque o que ganhámos em exportações mais do que perdemos em consumo interno e o PIB afundou mais de 6%



9)  Defina brutal aumento de impostos? É fácil:




10) Há alguma despesa do Estado a subir? Há, os juros: